apareceu por essas bandas. Quando meus passageiros começaram a ligar diretamente para mim, eu apanhei dos meus colegas de ponto. Literalmente. Briga de rolar pela calçada. Tentaram me expulsar do ponto, mas não rolou: a EPTC entendeu que o passageiro tem direito de escolher o taxista que vai lhe atender, seja pelo telefone fixo, seja escolhendo no ponto, seja por celular… enfim. De lá para cá, muita coisa mudou. O próprio celular ficou mais inteligente, tornou-se smartphone.

 

Quando surgiram os aplicativos para chamada de táxi, o representante da Easy Táxi veio a Porto Alegre conversar comigo. Ele mesmo instalou o app no meu aparelho. Feito isso, pediu que uma funcionária da Easy, desde São Paulo, mandasse uma corrida para mim como forma de me convencer que a coisa funcionava. Saí daquela conversa como o primeiro taxista gaúcho parceiro do aplicativo. Meus colegas, desconfiados, apenas coçavam a cabeça. De lá para cá, muita coisa mudou. Apesar da gritaria dos contrariados, os aplicativos se estabeleceram.

 

No momento em que digito este texto, fevereiro de 2016, os taxistas de Porto Alegre estão preocupados com a concorrência do Uber, o aplicativo de “carona” colaborativa. Acontece que neste mesmo momento, a empresa Uber, nos Estados Unidos, está preocupada com o app concorrente Lift e seu bigode rosa, que por sua vez está de olho no SideCar, que oferece “caronas” mais descoladas, e isso é só o começo – a Capital gaúcha já estuda um sistema de aluguel de veículos elétricos aos moldes do BikePoa. O mundo está mudando numa velocidade espantosa (desculpem o clichê), o taxista que não perceber isso corre o risco de ficar à margem do mercado.

 

Os “colegas” taxistas que agridem motoristas do Uber prestam um grande favor à empresa americana – é a mídia mais eficiente e barata para divulgá-los. Além de colocá-los como os pobres injustiçados defensores da mobilidade urbana, detona uma verdadeira caça às bruxas entre os taxistas, que, aos olhos da população, posam como broncos selvagens e antiquados. Quando o motorista do Uber foi agredido naquele episódio lamentável em que todo mundo acabou no Palácio da Polícia, pouca gente perguntou por que o representante da empresa Uber em Porto Alegre chegou ao distrito em um… táxi. Deixa pra lá.

 

Não acredito que o táxi vá acabar – em plena Nova York, ainda é possível alugar uma carruagem -, mas estou atento às mudanças. Mesmo depois de 30 anos manuseando um taxímetro, não me sinto velho demais para novos desafios. Pretendo acompanhar as tendências. Meus clientes, por exemplo, não me verão mais dirigindo de bermudas, nem com os vidros abertos para amenizar o calor. Meus clientes podem pagar a corrida (mais livro autografado) com cartão de crédito/débito, desfrutam de um carro espaçoso, contam com gps, acesso à internet e a um papo amigo. Tudo sem acrescentar um centavo ao valor que consta no taxímetro. Gorjetas são bem vindas. boek hier een taxi antwerpen

Acho que este é o futuro do táxi. Tornar-se um negócio mais moderno, proporcionar uma experiência agradável ao usuário a ponto de fazê-lo esquecer as outras opções – Uber, Lift, SideCar, elétricos de aluguel, carros autônomos, o que seja. O taxista precisa se puxar, não porque a prefeitura está cobrando, mas por uma questão de sobrevivência, porque o MUNDO está cobrando. É hora de deixar de mimimi, de olhar para a frente, pois é lá que o melhor está nos esperando. E é pra lá que eu vou.

auto opkoper –  opkoper autoverhuisfirma Oost-Vlaanderen –  Taxi Antwerpen Schipholluchthavenvervoer eindhoven